segunda-feira, 12 de setembro de 2011

BRUXARIA TRADICIONAL - Chico Xavier um Bruxo Tradicional

Existe muita falta de clareza sobre o tema Bruxaria Tradicional, e esta confusão é justamente pelo não entendimento do que seja "Bruxaria" ou "tradicional" e temos colocado algumas definições bem consistentes para àqueles que têm interesse e possam ter propriedade na hora de se expressarem e colocarem argumentos baseados não apenas no julgo pessoal.

As tradições pagãs estão mortas?
- Grande parte do mundo antigo sofreu três processos, o primeiro foi a fragmentação de culto nos sobrando algumas teses e estas são motivos de estudos acadêmicos, a segunda modalidade é a adaptação continua durante toda linha de tempo das crenças até o período contemporâneo e a terceira é a passagem do mundo antigo ao contemporâneo preservando a base de culto central.

A primeira modalidade qualquer pessoa poderia chegar à conclusão, pois a generalidade é default para os primeiros níveis escolares. A segunda modalidade esta provavelmente mais próxima da percepção de culto tradicionalista, entretanto a terceira é uma realidade seletiva, uma realidade totalmente inviável ou inexistente para a grande maioria.

Não é segredo para quem estuda, por exemplo o mundo celta, que até hoje encontraremos cidadãos no interior da Irlanda que ainda falam o gaélico, ou seja, uma língua celta, tal como não é segredo para quem é praticante que conhecimentos específicos celtas são transmitidos para àqueles que fazem parte de certos círculos fechados e exclusivos, porém como estas crenças não são maioria elas são descritas como inexistentes, imaginárias ou passam por invenções meramente reconstrucionistas e sendo assim olhamos com bons olhos, pois deste modo não existe um interesse comercial na indústria do entretenimento ao qual distorceria em favor do financeiro.

Encontramos pelo mundo diversas manifestações de crença, por vezes generalizadas como se fossem Bruxaria, um apanhado de crendices que as religiões mais estruturadas ignorassem ou desprezassem jogando a marginalidade, esta visão generalista tem se mostrado muito falha, pois as expressões individuais de crença são baseadas não apenas no círculo interior, mas também encontram vínculos nas manifestações religiosas da sociedade.

Um exemplo muito claro é dizer que uma benzedeira é uma bruxa ou que a mesma é um processo individual de crença e independe da religião mais influente de sua localidade. Conhecemos benzedeiras evangélicas, benzedeiras católicas e umbandistas, ou seja, elas são religiosas! E estas práticas/ ofícios são bem vindas? Depende da congregação, do terreiro, da igreja em que ela esta ligada ou mesmo da sociedade.

E se ela não estiver ligada a estas instituições diretamente?
- Também não poderíamos dizer que ela mesma  não se classifique como católica, por exemplo, isto independente se o padre lhe vê com bons olhos ou não.

É possível entender que uma benzedeira tenha absorvido culturalmente certos traços de uma colonização européia, que dentro do Catolicismo encontramos muito do paganismo europeu, porém devemos entender que influência, que pequenos pedaços não refletem o todo, e sendo assim lembramos de forma poética de nossas benzedeiras, porém elas não são bruxas e tão pouco se enquadram dentro das crenças pagãs quanto das neo-pagãs.

Não acreditamos que todo pagão seja ligado à bruxaria, tal como não acreditamos que as tradições da bruxaria não estejam ligadas ao caminho pagão. Acreditamos que todo bruxo esta ligado à magia, mas que nem todos os magistas são bruxos.

Estas são questões muito obvias e se pode reconhecer um católico pelas crenças no poder dos santos, tal como é fácil reconhecer um praticante de culto afro diante das ligações com o panteão africano, o fato de poder haver sincretismo entre religiões não o faz um bruxo.

Bruxos Tradicionais são peregrinos de um caminho baseado em elementos específicos, o reconhecimento desta visão sobre o mundo os tornam muito mais que simples feiticeiros, fato que independente de sua maestria mágica, pois se nos basearmos apenas nisso, poderíamos dizer que Chico Xavier era bruxo, pois sua vidência era implacável, que Jesus Cristo era bruxo, pois transformou água em vinho e assim por diante. E qualquer pessoa lúcida sabe muito bem diferenciar os sistemas de crenças e não ficarem restritos ao que "é" ou "não é", ao dualismo/ maniqueísmo.

Dentro do Conselho de Bruxaria Tradicional não fazemos proselitismo, colocamos nosso ponto de vista ao qual esclarece que as tradições não são perenes, pois elas perecem (morrem) se não forem mantidas e preservadas, elas não são eternas se continuarmos apenas a usá-las como um rótulo genérico sem o cuidado pelo respeito a identidade mágico/ religiosa. 



Cordialmente,

Conselho de Bruxaria Tradicional no Brasil

6 comentários:

  1. Bom dia Ricardo,

    Li e reli o texto acima, bastante esclarecedor, e nesse caso gostaria de confirmar algumas interpretações.

    Sobre benzedeiras podemos dizer que é errado dizemros que as mesmas são bruxas, visto que elas nãos eguem uma tradição pagã fechada com suas práticas e tradições, mesmo que em alguma outra vida elas tenham sido bruxas celtas e que muitod e sue trabalhoseja feito de forma incosnciente em harmonia com essa essência e ao mesmo tempo é correto dizer que elas são pessoas que possuem o dom da cura e que realizam esse trabalho em harmonia com a religião que escolheram para tal, até aqui td bem?

    E sobre os ícones cristãos, jesus e chico, podemos dizer que são bruxos não tradicionais, visto que seguiam um caminho com elementos especificos e possuíam dominio sobre a visão (entre os mundos) e a manipulação de magnetismo e forças da natureza (agua em vinho, é isso mesmo, ou entendi tudo errado? rs

    Se puder esclarecer minhas duvidas agradeço, visto que procuro sempre rever e repensar opinições já sedimentadas sobre este assunto.

    Luna

    ResponderExcluir
  2. Excelente texto.
    Não há como agregar essas pessoas de diferentes épocas, lugares, culturas por suas proezas “mágicas” e condecora-las com títulos de Bruxos Tradicionais se é obvio que suas crenças têm uma visão distorcida do Paganismo em geral.
    Ótimo texto. Pequeno, simples e de fácil compreensão.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Trabalhar com harmonia, com a natureza, com a metafísica, com os "dons" da cura, tudo isso não é algo patente da bruxaria, muitas crenças tem esses elementos, é até algo comum se observarmos as diversas crenças do mundo.

    Com relação aos ícones cristãos, vc já disse tudo! fazem parte da religião cristã e não da bruxaria, por mais que possa haver influência, por mais que muitos não tenham a preocupação de se livrar destes sincretismos.

    Tanto Jesus, como Chico Xavier, não são bruxos, eles não possuem a visão de crença da bruxaria, mesmo que tivessem muitos dons, como pode ver, ter dons também não é um diferencial para ser bruxo.

    Essas dúvidas são comuns, é um fenômeno comum que cristãos queiram desvincular a BT do paganismo para poderem usar do rótulo para vender livros, mas pelo menos no CBT, os praticantes terão um caminho mais claro para a prática religiosa.

    ResponderExcluir
  4. Olá Ricardo,

    Agora ficou esclarecido em relação ao título do texto, muito obrigada pelo ensinamento!

    Luna

    ResponderExcluir
  5. É esta coerência de ideias que falta a muitos ditos pagãos nos dias de hoje.
    Um ótimo texto, que pontua muito claramente questões fundamentais para se seguir o caminho da bruxaria tradicional com coerência.

    ResponderExcluir
  6. Pois é.. esses dias ouvi de um umbandista que Bruxaria e xamanismo é a mesma coisa... pq ambos trabalham com ervas para cura e por ai vai... rs

    Isso acontece a todo tempo, acredito que que por falta de informação, conceito e busca da tradição de cada senda... pra entender que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa..rs

    ResponderExcluir

Este blog tem conteúdo específico religioso (paganismo tradicionalista), caso não concorde... pelo menos respeite e vá a um blog que se destina a mesma vocação religiosa que acredita.